Enem PPL 2019: Inep amplia recursos acessíveis para os participantes do exame

Cada unidade prisional ou socioeducativa tem um responsável pedagógico com acesso ao sistema de inscrição e suas funcionalidades. Esse profissional é quem realiza e acompanha as inscrições, determina a sala de provas dos candidatos, transfere participantes entre as unidades, caso necessário, dentro do prazo previsto e exclui participantes que tiverem sua liberdade decretada. A inscrição deve ser efetuada no portal do Inep, de acordo com o cronograma.

Na edição deste ano, a novidade é que os participantes do Enem para pessoas privadas de liberdade e jovens sob medida socioeducativa têm mais recursos de atendimentos especializados. Os candidatos contam a partir de agora com recursos extras, como prova em Braille, prova com letra ampliada, prova com letra superampliada, tempo adicional e/ou mobiliário acessível. De acordo com o edital, as provas serão aplicadas nos dias 10 e 11 de dezembro.

Além do público com baixa visão, que já era atendido pelo Enem PPL, a partir deste ano, o exame também atenderá pessoas com cegueira, visão monocular, surdocegueira, dislexia, déficit de atenção, autismo, discalculia, deficiência física, deficiência auditiva, surdez e deficiência intelectual.

Como funciona essa modalidade?

De acordo com o Inep, as provas do Enem PPL têm o mesmo nível de dificuldade do Enem regular. A única diferença é a aplicação dentro de unidades prisionais, incluindo penitenciárias, cadeias públicas, centro de detenção provisória e instituições de medidas socioeducativas. A aplicação é posterior ao Enem regular e ocorre em dias úteis.

Como utilizar o resultado?

Os participantes, com idade a partir de 18 anos, podem utilizar o desempenho no exame como mecanismo único, alternativo ou complementar para acesso à educação superior. Já os participantes menores de 18 anos, considerados “treineiros”, podem utilizar os resultados individuais para a autoavaliação de conhecimentos.

O responsável pedagógico também é quem acessa os resultados obtidos pelos candidatos e pleiteia sua participação no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e em outros programas de acesso à educação superior, se for o caso. Além disso, divulga as informações sobre o exame aos participantes.

Fonte: portal.inep.gov.br; noticias.r7.com

Artigos Relacionados

Comentários